Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Geral
  • não publicado
  • Publicado: Quinta, 14 de Agosto de 2014, 09h00
  • Última atualização: 13/05/15 16h24

Consumo excessivo de sódio causa hipertensão, doenças renais e cardiovasculares

Crédito: Wavebreak /Media Ltd/ Corbis

O verdadeiro vilão da pressão arterial é um componente que está dentro do sal: o sódio. O consumo exagerado do sal está relacionado ao aumento no risco de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), como hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e doenças renais, entre outras. As DCNT são responsáveis por 63% dos óbitos no mundo e 72% dos óbitos no Brasil. Um terço destas mortes ocorre em pessoas com idade inferior a 60 anos.

O brasileiro consome diariamente uma média de 12 gramas de sal nas refeições. O consumo recomendado pela OMS é de no máximo 5 gramas por dia. “A cada 9 gramas de sódio, o corpo precisa de 1 litro de água pra diluir o sal”, alerta o nutricionista do Hospital Federal da Lagoa (RJ), vinculado ao Ministério da Saúde, Felipe Rizzetto.

“Esta redução de sódio na alimentação do brasileiro se materializa na redução, ao longo prazo, no número de óbitos por Doenças Crônicas Não Transmissíveis, como infarto e AVC”, destaca o Ministro Arthur Chioro. Se o consumo de sódio for reduzido para a recomendação diária da OMS, por exemplo, os óbitos por acidentes vasculares cerebrais podem diminuir em 15%, e as mortes por infarto em 10%. A meta geral do Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT), do Ministério da Saúde, é reduzir em 25% a mortalidade prematura por DCNT até 2022.

Os alimentos processados são os que contêm maior quantidade de sódio e conservantes. Entre eles podemos listar os embutidos, laticínios e defumados. “Deve-se priorizar os alimentos naturais. Evitar acrescentar sal na comida pronta, tirar o saleiro da mesa e priorizar temperos naturais. É um desafio grande, mas precisa ser encarado como uma atitude inadiável”, diz o nutricionista Felipe Rizzetto.

Para melhorar a dieta do brasileiro, o Ministério da Saúde e a Associação das Indústrias da Alimentação (Abia) firmaram acordo com metas para reduzir o sódio dos alimentos processados. “A política do Ministério da Saúde de regulamentar e reduzir o sódio nos alimentos é muito válida. Com isso, vem à mudança nos hábitos dos brasileiros. Junto a uma reeducação alimentar para explicar e estimular o consumo baixo de sal”, finaliza.

Estratégias para redução do consumo de sódio, o incentivo à atividade física e à alimentação saudável, a prevenção da obesidade infantil nas escolas, orientações sobre a importância de para de fumar e a expansão da assistência em doenças crônicas, integram o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) do Ministério da Saúde.

A dieta ideal – O MS preconiza uma ingestão alimentar variada e balanceada, de acordo com o Guia Alimentar para a População Brasileira e Os 10 Passos para uma Alimentação Saudável.

 

Fonte: Blog da Saúde, com informações da Agência Saúde

Registrado em:
Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado

Facebook

Twitter

Fim do conteúdo da página