Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Combate ao Aedes > Reunião discute novas alternativas para o controle do Aedes aegypti
Início do conteúdo da página
Combate ao Aedes
  • publicado
  • Publicado: Quarta, 17 de Fevereiro de 2016, 17h15
  • Última atualização: 17/02/16 17h15

Reunião discute novas alternativas para o controle do Aedes aegypti

CbaW2G0WwAANUq6Especialistas de todo o Brasil e de países como Estados Unidos, Austrália, México e Áustria estão em Brasília para a Reunião Internacional para Implementação de Novas Alternativas para o Controle do Aedes Aegypti no Brasil.

Durante os dois dias de evento, serão discutidos estudos e ações na aplicação de tecnologias para o controle do mosquito. O Secretário de Vigilância em Saúde, Antônio Nardi, conta que a reunião mostra que o trabalho realizado no Brasil segue a tendência mundial. “O encontro chancela as ações que o governo brasileiro vem desenvolvendo. O trabalho está alinhado com as ações internacionais de combate ao Aedes aegypti”.

 

Entre os assuntos a serem discutidos estão o uso de mosquitos transgênicos, da bactéria Wollbachia, estudo desenvolvido pela Fiocruz, e experiências internacionais como o uso de mosquitos adultos para dispersão de inseticidas e a aplicação residual nos domicílios.

O chefe do centro de controle de zoonoses de Natal (RN), Alessandre Medeiros, participa do evento. “Esta troca de experiências é muito importante para nosso trabalho diário. Principalmente para identificar ações que podem complementar a estratégia que já existe no município”, afirma.IMG 20160217 104102200

Além de participar da reunião, Alessandre apresentará na tarde de quinta-feira a estratégia desenvolvida no município nordestino. " Em Natal estamos fazendo uma delimitação de áreas de risco e o desencadeamento de respostas com oportunidade o mais rápido possível. Fazemos esta delimitação de forma semanal, classificamos as regiões da cidade e encaminhamos as ações necessárias. E essas ações diferenciam-se de acordo com os riscos. Os resultados são promissores, apesar de termos pouco menos de seis meses nesta metodologia. Já temos menos áreas de risco do que o início do não passado e conseguimos identificar por essa metodologia a entrada da Chikungunya em nossa região. Isso só foi possível pela investigação dos casos”, explica

Confira na matéria da TV Saúde mais algumas das ações feitas em Natal.

Fonte: Gabriela Rocha/ Blog da Saúde

Fim do conteúdo da página