Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Geral
  • publicado
  • Publicado: Terça, 06 de Janeiro de 2015, 21h00
  • Última atualização: 06/01/15 15h22

Daclatasvir, novo medicamento Hepatite C, recebe registro da Anvisa

Foto: Dmitry KalinovskyOs pacientes que convivem com o vírus da hepatite C tiveram uma excelente notícia esta semana, o medicamento daclatasvir usado no tratamento da doença teve o registro liberado pela Anvisa. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, ressaltou a importância da liberação dos medicamentos para os pacientes. “O daclatasvir é aquilo que temos de mais novo no tratamento da hepatite C. O Brasil será um dos primeiros países do mundo a incorporar e garantir aos pacientes que vivem com hepatite C a possibilidade de se tratarem com o que há de mais moderno. Ele será muito importante para os pacientes que vivem com HIV e que não podem fazer tratamento injetável”.

Este o primeiro de uma série de três medicamentos inovadores para o tratamento da doença e cujo registro está tramitando em regime de prioridade a pedido do Ministério da Saúde, que já estuda a incorporação dos produtos no Sistema Único de Saúde – SUS. São eles: sofosbuvir, daclatasvir e simeprevir. “Os outros dois medicamentos continuam com priorização requerida pelo Ministério da Saúde. E assim que os laboratórios concluírem a documentação o registro será liberado. Esperamos conseguir em 2015 não só analisar a incorporação tecnológica, mas também fazer aquisição e iniciar a distribuição. Reproduzindo em relação à hepatite C o que o Brasil já faz de maneira pioneira em relação ao tratamento da HIV/AIDS”, comentou Chioro.

O produtor de evento Gerson Guarino é portador de Hepatite C e aguarda ansiosamente a chegada do medicamento ao SUS. “Decidi, junto com o meu médico, aguardar os novos medicamentos. O tratamento atual causa uma série de efeitos colaterais e nem sempre o resultado esperado. Como minha saúde permite, preferimos esperar um pouco para ter um medicamento mais com mais chance de cura. Foi uma excelente notícia para os pacientes”, ressalta.

As evidências científicas apontam que os novos medicamentos apresentam um percentual maior de cura (até 90%), tempo reduzido de tratamento (passa das 48 semanas atuais para 12 semanas de tratamento) e a vantagem do uso oral. Esses medicamentos também podem ser utilizados em pacientes que aguardam por transplante ou que já realizaram transplante. Além disso, são medicamentos de menor toxicidade, com menos efeitos colaterais.

A cada ano quase 16 mil pessoas são tratadas contra hepatite C no SUS. A hepatite C é causada pelo vírus C (HCV). A transmissão se dá, dentre outras formas, por meio de transfusão de sangue, compartilhamento de material para uso de drogas, objetos de higiene pessoal como lâminas de barbear e depilar, alicates de unha ou outros objetos que furam ou cortam na confecção de tatuagem e colocação de piercings.

Fonte: Gabriela Rocha/ Agência Saúde

Registrado em:
Adicionar Comentário
Carregar Mais

Facebook

Twitter

Fim do conteúdo da página