Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Geral
  • publicado
  • Publicado: Quarta, 21 de Janeiro de 2015, 17h32
  • Última atualização: 21/01/15 17h32

Hospital de BH já fez mais de dois mil partos nos últimos quatro anos

Para realizar o parto normal, as unidades de saúde da rede pública precisam ter ambiente, espaço físico e equipamentos adequados e profissionais de saúde qualificados. Um exemplo de local que reúne tudo isso são os dois centros de Parto Normal do Hospital Sofia Feldman da cidade de Belo Horizonte, que desde 2011 atende mulheres grávidas na capital mineira. Os dois Centros já realizaram cerca de 2100 partos normais desde que foram inaugurados. Os Centros de Parto contam com equipes de médicos, enfermeiras obstétricas e técnicos de enfermagem. 

Para a gestante ser atendida em um dos Centros de Parto, é preciso apresentar laudo médico atestando que a mulher pode ter o bebê de parto normal. Os Centros de Parto são reconhecidos pelo Ministério da Saúde e preenchem todos os requisitos necessários para o funcionamento. O médico do Centro de Parto do hospital Sofia Feldman, Edson Borges, explica os benefícios do parto normal para a gestante e também para o bebê. "A mãe tem uma recuperação mais rápida, tem um risco menor de infecção e sem contar os benefícios tardios como dor crônica, e outras complicações, lesões de bexiga, de ter transfusão sanguínea. E o bebê que passa pelo trabalho de parto também tem o risco menor de complicações respiratórias, principalmente quando é um trabalho de parto espontâneo. O corpo da mulher foi preparado para ter o bebê pela via normal".

A autônoma, Daiane Santiago de Sousa, por exemplo, teve seu primeiro filho há dois meses e escolheu ter o parto normal. Daiane conta que gostou muito do atendimento prestado pelos profissionais de saúde do centro de parto. "Desde o início eu sempre quis ter parto natural. Achei excelente. Foi natural, a recuperação foi super tranquila, foi rápida. Eu fiz o pré-natal lá na casa de parto normal, fui super bem atendida e a partir do momento que eu me internei, eu tive toda a assistência. Eu fui para sala de pré-parto, as meninas iam lá, verificava minha pressão, olhava se estava tudo certinho. Não tenho nada que reclamar não".

 

O parto normal reduz os riscos desnecessários para saúde tanto da mãe quanto do bebê. É o que explica o ministro da Saúde, Arthur Chioro. "O parto normal é parto não cirúrgico, é o parto que a mulher desenvolve o trabalho de parto, ela entra num trabalho fisiológico, que dá mais proteção, que diminui as internações durante longo período nas UTI's por prematuridade desses bebês. Porque isso é decisivo para diminuir a mortalidade infantil, para diminuir a prematuridade, mas acima de tudo, dar o direito às mulheres e aos seus bebês de terem um nascimento com dignidade".

Em janeiro deste ano, o Ministério da Saúde e a ANS, Agência Nacional de Saúde Suplementar, estabeleceram novas regras para aumentar o número de parto normal no país e consequentemente reduzir o número de cesarianas desnecessárias na saúde suplementar.

Fonte: Karina Chagas/ Agência Saúde

Registrado em:
Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado

Facebook

Twitter

Fim do conteúdo da página