Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Geral
  • publicado
  • Publicado: Quarta, 28 de Fevereiro de 2018, 18h41
  • Última atualização: 28/02/18 18h44

Profissionais são homenageados pela contribuição à saúde

ordem-de-merito-oswaldo-cruz-personagens-wDiferentes personalidades entre eles, médicos, pesquisadores, instituições e atores de diferentes áreas com relevante contribuição para a saúde brasileira foram homenageados com a “Medalha de Mérito Oswaldo Cruz” do Ministério da Saúde. A medalha foi entregue pelo presidente Michel Temer e pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros e condecorou aqueles que possuem destaque na atuação em atividades com resultados benéficos à saúde individual e coletiva dos milhares de cidadãos brasileiros.

A premiação leva o nome do fundador da saúde pública brasileira, o cientista, médico e sanitarista Oswaldo Cruz. Ele esteve à frente de uma nova concepção de saúde pública e inovou em suas práticas e atividades, contribuindo com campanhas para a erradicação da febre amarela e peste bubônica, entre outras. Oswaldo Cruz, que também esteve presente no início da história de um dos maiores símbolos de produção de conhecimento e tecnologia do país – a Fundação Oswaldo Cruz - não relutou em reconhecer que a saúde é um desafio ao mesmo tempo individual e coletivo, princípios básicos que preconizaram o SUS.

O anúncio da premiação foi feito por meio de decreto assinado pelo Presidente da República e pelo ministro da Saúde, e publicado no Diário Oficial da União (DOU). Entre os premiados estão: o representante da OPAS, Joaquín Molina; a superintendente das obras sociais Irmã Dulce, Maria Rita Pontes; o secretário de Saúde do estado de São Paulo, David Uip; o jornalista Alexandre Garcia; o ministro da Educação, Mendonça Filho, e entidades como a Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação e a Força Aérea Brasileira (FAB), que contribui para o transporte de órgãos para transplantes no país, entre outros.

Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a condecoração é uma forma de reconhecer os que fazem e contribuem para a saúde da população brasileira. “Uma justa homenagem para aqueles que ajudaram a construir uma trajetória de transformação, de ousadia, de mudanças no Sistema Único de Saúde. Mudanças que serão permanentes para a saúde pública”, destacou.

Confira alguns depoimentos de alguns homenageados:

O padre e presidente da arquidiocese da cidade de Sorocaba, Flávio Jorge, falou sobre a importância da medalha para o reconhecimento do trabalho que a paróquia faz voltado para oncologia ligada ao SUS. “Receber essa homenagem nos dá muita alegria para podermos continuarmos nessa luta para população, especialmente aqueles que não tem um plano de saúde. Agradeço muito ao nosso ministro da saúde”.

Flávio José professor ex-senador pelo Paraná e vice-governador do Estado, também conhecido por defender os direitos dos deficientes físicos e mentais, em especial os autistas, destacou seu trabalho para pessoas com deficiências e sua inclusão social. “Existe sempre uma multidão de pessoas que dão o melhor de si para que haja mais cidadania para as pessoas com deficiência. Que isso seja um incentivo para toda a sociedade para continuar a lutar por um Brasil mais justo e com amis chances para todos os brasileiros”.

Iolanda Pereira é da liderança Indígena e AIS, parteira, trabalha com prevenção do suicídio, movimentos/agências femininas e medicinas tradicionais falou do reconhecimento do trabalho feito nas tribos indígenas. “Ao longo desses 25 anos trabalhando com a saúde indígena eu recebo essa homenagem com muito carinho. Fiquei muito emocionada e muito feliz pelo reconhecimento do trabalho que faço na área indígena. Agradeço muito ao Ministério da Saúde, a Sesai, porque eu cheguei aqui com a ajuda de todos”.

Representante da OPAS/OMS no Brasil, Joaquim Molina, atua na Organização desde 1991. Foi Consultor do programa de serviços de saúde em Washington/DC, Estados Unidos; Consultor de desenvolvimento de sistemas e serviços de saúde na Nicarágua e no México; Representante Interino da Representação da OPAS/OMS no México; e Representante na Guatemala e no Panamá. Molina ressaltou o papel da OPAS dentro do SUS. “Hoje eu trabalho diretamente com Ministério da Saúde em vários campos da saúde pública. Tenho trabalho muito com o programa Mais Médicos, com a luta das doenças transmissíveis e crônicas. E hoje me sinto muito honrado em poder ter essa medalha do Oswaldo Cruz. É uma honra trabalhar no Brasil que para mim é uma grande escola de saúde pública que tenho em minha vida”.

José Fernando da Costa, engenheiro que executou importantes obras, como o complexo do Banco Itaú, o Metrô e, durante três anos, uma barragem no Peru disse da importância desse dia para saúde brasileira. “Receber essa medalha nos dá mais responsabilidade para um projeto educacional na área de saúde pública. Por isso, tenho a honra de participar desse momento, mas para poder contribuir muito mais para saúde do Brasil que é o grande desafio”.

Presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), Kleber Morais é professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), onde atuou durante 12 anos na superintendência da Maternidade Januário Cicco, da UFRN. “Essa homenagem é uma história de vida, são 37 anos servindo a população mais carente. Essa homenagem é muito importante para mim, é uma contribuição para nós como cidadão e me sinto muito honrado pelo ministro da saúde”.
Sobrinha da beata Irmã Dulce, Maria Rita Pontes é superintendente das Obras Sociais Irmã Dulce. Administra a maior instituição filantrópica do Brasil, com aproximadamente 3 mil profissionais, que atuam em 15 núcleos que prestam assistência à população de baixa renda nas áreas de Saúde, Assistência Social e Educação, dedicando-se ainda à Pesquisa Científica, Ensino Médico e preservação e difusão da história de Irmã Dulce. “Nós recebemos essa homenagem como reconhecimento de todo nosso esforço, de toda a nossa colaboração para manter o SUS vivo pulsante e atender a quem mais precisa”

Presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Mauro Junqueira foi secretário municipal de saúde de São Lourenço, em Minas Gerais. É conhecido como Mauro da Saúde, por ter ocupado ainda a secretaria de Saúde de Lambari e de Carmo de Minas. “É uma honra muito grande ter recebido essa homenagem e isso significa o trabalho que hoje o Conasems faz em defesa dos municípios. Trabalhamos na pactuação tripartite, na luta pelo fortalecimento da gestão municipal. O trabalho é de uma equipe”.

Secretário Estadual de Saúde do Paraná desde 2011, Michele Caputo foi duas vezes secretário municipal de saúde de Curitiba e secretário municipal de Assuntos Metropolitanos. Também exerceu a função de chefe de gabinete da Fundação Nacional de Saúde, chefe da Vigilância Sanitária Estadual, diretor geral do Centro de Medicamentos do Paraná e diretor dos Órgãos Produtores de Insumos e Imunobiológicos da Secretaria de Estado da Saúde. “A minha indicação representa essa trajetória, o trabalho de reconhecimento ao trabalho que o Paraná faz. Recebo essa medalha com muita gratidão e com muita honra, pois essa medalha em termo de saúde pública seja um dos maiores reconhecimentos que tem no país. Na medida em que recebemos essa medalha só aumenta nossa responsabilidade e nosso compromisso com a saúde pública do Paraná e do Brasil”.

O professor Rubens Belfort é titular no departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo desde 1991, o cargo mais alto que um professor pode atingir na universidade. É o único oftalmologista membro da Academia Brasileira de Ciências, o único oftalmologista membro da Academia Nacional de Medicina e o único oftalmologista Brasileiro a ser membro do International Council of Ophthalmology, órgão máximo da oftalmologia mundial. “Eu me sinto muito honrado e gratificado por esta homenagem que tem o nome do Oswaldo Cruz um dos maiores sanitaristas brasileiros de todas as épocas na área de saúde. E também representando a Unifesp é um reconhecimento do trabalho que estamos fazendo há quase 50 anos tentando o melhor da oftalmologia para diferentes partes do Brasil, com ênfase grande na área da Amazônia e alguns lugares do Nordeste. É muito bom ver o Ministério da Saúde nessa linha de reconhecimento das diferentes pessoas e instituições envolvidas e principalmente tratando de trazer uma inovação tão necessária ao sistema de saúde em benefício ao enriquecimento da população brasileira nesse aspecto o fortalecimento do SUS”.

 

Registrado em:
Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado

Facebook

Twitter

Fim do conteúdo da página