Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Geral
  • publicado
  • Publicado: Sexta, 21 de Junho de 2019, 18h33
  • Última atualização: 21/06/19 18h42

Em Paris, Brasil apresenta tecnologias que ajudam a assistência no SUS

 Países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) conheceram o Programa Telessaúde, implantado em unidades de saúde da família

erno ministério da saúdeA experiência do Brasil ao utilizar teleconsultoria e telediagnóstico para ampliar e qualificar a resolutividade no atendimento na atenção primária no Sistema Único de Saúde (SUS) foi apresentada durante o 25º Comitê de Saúde da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que aconteceu em Paris.

Desde 2007, quando foi instituído o Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes, o país faz uso de tecnologias da informação e comunicação para qualificar consultas, dar suporte assistencial, monitorar pacientes e pesquisa. Isso vem permitindo interações à distância na área de saúde em um país de dimensões continentais, como é o Brasil.

Ao participar da Reunião de Especialistas sobre Transformação de Sistemas de Saúde, o secretário de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde, Erno Harzheim, falou o desafio que é ofertar assistência de qualidade em um país que tem um dos maiores sistemas de saúde pública do mundo. Salientou a importância do RegulaSUS, projeto que diminui a fila de espera por consultas especializadas em varias capitais brasileiras.

Além disso, enfatizou aos países membros da OCDE que cerca de 160 milhões de brasileiros dependem exclusivamente do SUS e outras 50 milhões usam o sistema de saúde suplementar, mas realizam também procedimentos no público. “Somente no segmento público, são realizadas mais de 5 bilhões de consultas e procedimentos ambulatoriais por ano, cerca de 1 bilhão de exames diagnósticos, e mais de 12 milhões de internações hospitalares”, ressaltou Erno Harzheim.

telessaudeO Secretário pontuou que a principal meta da gestão atual do Brasil é fortalecer a atenção primária à saúde para resolver a maior parte dos problemas de saúde das pessoas: ‘APS é a porta de entrada do SUS. Nesse desafio, temos inúmeros obstáculos a vencer, entre os quais, cito a difusão da informação, a necessidade da ampliação do acesso”, afirmou o secretário.

Durante a apresentação das ações do Brasil para melhoria da rede pública de saúde, Erno Harzheim destacou o desejo da nova gestão de transformar o Sistema Único de Saúde (SUS). “Nós, verdadeiramente, temos uma grande e genuína intenção de transformar nosso enorme sistema de saúde em uma real e efetiva cobertura universal de saúde associada à alta qualidade do cuidado a um custo sustentável paro o país”, ressaltou Erno Harzheim.

A participação do Ministério da Saúde do Brasil nas reuniões da OCDE faz parte de um esforço conjunto de todo o governo brasileiro para ingresso na organização.

Por Amanda Mendes, para o Blog da Saúde

 

Registrado em:
Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado

Facebook

Twitter

Fim do conteúdo da página