Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Geral
  • não publicado
  • Publicado: Quarta, 20 de Agosto de 2014, 12h35
  • Última atualização: 20/08/14 12h40

Segurança da pessoa idosa

Foto: Whisson Jordan/CorbisOs anos passam e o corpo já não responde da mesma forma. Os movimentos ficam mais difíceis, os reflexos mais lentos e a visão não é tão aguçada. Com o processo de envelhecimento alguns detalhes podem fazer a diferença na vida das pessoas idosas e evitar os temidos acidentes domésticos, como as quedas.

Dados mostram que as quedas são responsáveis por 56,6% das mortes acidentais de pessoas acima de 75 anos, segundo o levantamento do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde. Os dados foram comparados com porcentagens de homicídios, suicídios, acidentes de trânsito e lesões indeterminadas.

Um simples tapete pode causar um escorregão que pode trazer fraturas muito dolorosas. Por isso, como diz o proverbio popular, “é melhor prevenir do que remediar”. Pequenas adaptações podem evitar consequências perigosas.

Um dos locais da casa que mais gera acidente é o banheiro. O piso escorregadio pode ser facilmente corrigido com tapetes antiderrapantes, geralmente de borracha e grudados no chão. Tanto dentro do box, como ao lado do vaso sanitário é importante instalar barras sólidas de apoio para auxiliar nos movimentos e dar mais segurança no caminhar. Outra pequena solução é fixar um banco dobrável na parede do chuveiro, ele torna o banho mais confortável. Ainda no banheiro, elevar o vaso sanitário alguns centímetros auxilia o movimento de sentar-se e levantar-se, lembrando que o usuário do assento precisa estar com os pés apoiados firmemente no chão. Já existem no mercado tampas que ajudam esta adaptação, evitando o trabalho de alvenaria e mantendo o vaso acessível a todos.

Outra preocupação recorrente em todos os cômodos deve ser a iluminação. Andar no escuro é perigoso em qualquer idade. Uma solução prática e de fácil obtenção são abajures que se ligam apenas com um toque. Assim, o idoso não precisa caminhar até o interruptor para ligar a luz. Tapetes soltos, como passadeiras, também podem ser um obstáculo perigoso. O ideal é deixar o caminho inteiramente livre. Se atentar com tacos soltos, pisos com desníveis, carpetes dobrados e fios atravessando passagens também é de fundamental importância. Quem convive com crianças e idosos em casa também precisa prestar atenção aos brinquedos que podem ficar espalhados pelo chão. Um bonequinho esquecido pode causar um escorregão.

Móveis com pontas arredondadas previnem machucados ao se esbarrar e os itens de uso recorrente devem sempre estar ao alcance das mãos, para evitar o uso de banquinhos e escadas.

Em residências com escadas vários detalhes precisam de observados. Além de bem iluminada, a escada deve ter corrimão dos dois lados, e de preferência que ele comece e termine alguns centímetros antes do limite da escada. Os degraus também devem ter exatamente a mesma altura e, se o revestimento for mais escorregadio, instalar fitas antiderrapantes, de cor contrastante com degrau, para ajudar a visão a estabelecer os limites.

Diante da relevância dessa temática, o Ministério da Saúde, por meio da Coordenação de Saúde da Pessoa Idosa (COSAPI/DAET/SAS/MS), vem realizando Oficinas de Prevenção de Quedas em Pessoas Idosas, em parceria com a Coordenação Geral de Doenças e Agravos não Transmissíveis - CGDANT, estados e municípios. O objetivo dessas oficinas é reduzir o número de quedas e fraturas na população idosa brasileira, por meio da capacitação dos profissionais de saúde e outras áreas acerca da temática em questão com vistas à sensibilização dos mesmos para a realização de ações que possam abordar a prevenção. Nos últimos dois anos, foram realizadas 16 Oficinas de Prevenção Quedas em Pessoas Idosas, nas quais foram capacitados 1274 profissionais. Para 2014 já estão agendadas novas Oficinas.

Além disso, a nova Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa, com previsão de distribuição para 2015, trará uma avaliação ambiental a ser realizada pelo profissional de saúde no domicílio do idoso, de forma a identificar aspectos modificáveis nos ambientes, com o objetivo de evitar quedas. Na parte de orientações para a pessoa idosa, familiares e cuidadores, também são abordados alguns cuidados importantes para a prevenção de quedas.

 

Fonte: Gabriela Rocha/ Blog da Saúde

Registrado em:
Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado

Facebook

Twitter

Fim do conteúdo da página