Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Geral
  • publicado
  • Publicado: Sábado, 24 de Janeiro de 2015, 09h00
  • Última atualização: 26/01/15 17h19

Asma, Bronquite Crônica e Enfisema

Crédito: megainarmyFatores genéticos, poeira, infecções, medicamentos, exercícios, refluxo gastroesofágico e até mesmo uma flor, em virtude do pólen, minúsculos grãos produzidos pelas plantas, podem desencadear crises de asma. A doença é resultado da inflamação crônica das vias aéreas inferiores, que causa o estreitamento dos bronquíolos, dificultando a passagem de ar. A asma é comum e afeta cerca de 10% da população mundial.

A estudante Caroline Schlucat, 21 anos, conta que suas memórias de infância são da convivência com os sintomas e crises de asma. “Eu não me lembro de mim sem asma. Foi na infância quando eu tive mais problemas e era internada pelo menos uma vez por mês. Nas crises tenho dificuldades para respirar, meus lábios ficam roxos nos cantos e sinto cansaço. A pior coisa que a asma me causa é a baixa imunidade. Durante os tratamentos, eu tinha muita pneumonia, gripe e viroses”, relembra.

Caroline ressalta que, antes do tratamento, ela não conseguiria praticar esportes e atividades aeróbicas ou até mesmo realizar o intercâmbio de estudos que está fazendo nos Estados Unidos da América, por exemplo. Apesar de não ter cura, existe tratamento e medicamentos para que os sintomas da doença afetem menos a vida de quem convive com a asma. No programa Aqui tem Farmácia Popular, os medicamentos definidos para o tratamento de asma são distribuídos gratuitamente aos usuários do Sistema Único de Saúde brasileiro. Confira a lista de medicamentos. 

A inflamação dos brônquios é comumente chamada de bronquite, mas é importante não confundir com a bronquite crônica, doença que causa tosse e expectoração na maioria dos dias, por no mínimo três meses por ano, durante dois anos consecutivos. Sua causa mais comum é o tabagismo.

Os brônquios, que levam e trazem o ar a cada respiração, e os alvéolos, onde o oxigênio chega antes de ir para o sangue, submetidos a substâncias agressivas, como as provenientes do tabagismo, passam por um processo de inflamação crônica no decorrer dos anos. Quando os brônquios ficam mais estreitados e produzem muito catarro, resulta em bronquite crônica. Se os alvéolos começam a se romper e formam bolhas, caracteriza-se como enfisema.

A limitação causada pela bronquite crônica obstrutiva e o enfisema causa a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), que é caracterizada pela dificuldade da respiração, mas pode ser prevenida e tratada. Para se prevenir, é recomendado não fumar, adquirir hábitos saudáveis, praticar atividades físicas de forma regular e evitar exposição a substâncias tóxicas.

 

Fonte: Ana Beatriz Magalhães / Blog da Saúde

Registrado em:
Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado

Facebook

Twitter

Fim do conteúdo da página