Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Cursos e Eventos > Brasil sedia evento mundial sobre segurança no trânsito
Início do conteúdo da página
ROAD SAFETY
  • publicado
  • Publicado: Segunda, 16 de Novembro de 2015, 09h17
  • Última atualização: 13/11/15 10h17

Brasil sedia evento mundial sobre segurança no trânsito

RoadsafetyO Brasil sediará, nos dias 18 e 19 de novembro, a 2ª Conferência Global de Alto Nível sobre Segurança no Trânsito – Tempo de Resultados, a Road Safety. A maior discussão do planeta sobre o tráfego em transporte terrestre terá, entre seus objetivos, a avaliação do andamento das iniciativas para redução das mortes e lesões ocorridas em todo o mundo em decorrência de acidentes de trânsito. As discussões estão inseridas no Plano Global estabelecido na Década de Ação para a Segurança no Trânsito 2011-2020.

O Secretário Nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Antônio Carlos Nardi, explica os pontos principais que embasam o evento. “A conferência deve agregar 150 países, com dirigentes de todas as áreas relacionadas ao trânsito. Será uma chance de fazer uma análise da última década da evolução do trânsito no mundo, tanto na legislação como na segurança, além de propor um plano para os próximos dez anos. O Brasil também vai apresentar as ações que têm tomado e apresentado bons resultados, principalmente em relação à legislação. O país já impôs leis mais restritivas, acompanhadas de uma fiscalização integrada, e vem mostrando que isso reduz consideravelmente os números dos acidentes de trânsito”, disse o secretário.

 A cada ano, cerca de 45 mil pessoas perdem suas vidas em acidentes de trânsito no Brasil. A violência envolvendo particularmente motociclistas está se tornando uma epidemia no país. De 2008 a 2013, o número de internações devido a acidentes de transporte terrestre aumentou 72,4%. Considerando apenas os acidentes envolvendo motociclistas, o índice chega a 115%. Em 2013, o SUS registrou 170.805 internações por acidentes de trânsito e R$ 231 milhões foram gastos no atendimento às vitimas. Do total de internações, 88.682 foram decorrentes de acidentes com motos, o que gerou um custo ao SUS de R$ 114 milhões – crescimento de 170,8% em relação a 2008. Esses valores não incluem custos com reabilitação, medicação e o impacto em outras áreas da saúde.

No mundo, a cada ano, acidentes de trânsito são a causa de 1,2 milhão de mortes e de traumas físicos em outras 30 a 50 milhões de pessoas. Os óbitos atingem principalmente crianças e jovens de cinco a 29 anos, sendo que os jovens do sexo masculino são as principais vítimas.

A conferência, que será realizada em Brasília, pretende reafirmar o engajamento da comunidade internacional em frear os fatores que causam os acidentes. A meta é salvar cinco milhões de vidas por meio da adoção, pelos países comprometidos, de políticas, programas, ações e legislações que aumentem a segurança nas vias, especialmente para pedestres, ciclistas e motociclistas - que correspondem à metade das estatísticas de mortes no trânsito, segundo a OMS.

Vida no Trânsito – O Projeto Vida no Trânsito é uma iniciativa brasileira voltada para a vigilância e prevenção de lesões e mortes no trânsito e promoção da saúde, em resposta aos desafios da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Década de Ações pela Segurança no Trânsito 2011 – 2020. O foco são ações em fatores de risco como a mistura álcool/direção e a velocidade excessiva dos condutores, além de outros fatores ou grupos de vítimas identificados localmente a partir de análises dos dados, especialmente acidentes de transporte terrestre envolvendo motociclistas.

O Vida no Trânsito é coordenado pelo Ministério da Saúde, em articulação interministerial, e tem parceria com a Organização Pan Americana da Saúde (Opas). Ele foi lançado em 2010 como parte da iniciativa internacional denominada Road Safety in Ten Countries (RS 10), sob a coordenação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Implantado inicialmente nas cidades de Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Palmas (TO) e Teresina (PI), o projeto foi expandido em 2013 para todas as capitais e municípios com mais de 1 milhão de habitantes, e mais os municípios de Foz do Iguaçu e São José dos Pinhais, no Paraná.

Fonte: Blog da Saúde

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página