Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Cursos e Eventos > Exposição na UnB (DF) exibe trabalho de profissionais do Mais Médicos
Início do conteúdo da página
Cursos e Eventos
  • publicado
  • Publicado: Terça, 14 de Março de 2017, 10h00
  • Última atualização: 14/03/17 10h55

Exposição na UnB (DF) exibe trabalho de profissionais do Mais Médicos

maismedicosparaFoto: ONU/BRQuem passa pelo campus da Universidade de Brasília (UnB) já pode conhecer um pouco mais sobre o trabalho dos profissionais do programa Mais Médicos. A Faculdade de Ciências da Saúde da instituição de ensino abriga uma exposição de fotos fixa sobre a iniciativa, com 12 painéis de quatro metros de altura. Neles, há registros do dia a dia dos médicos cubanos mobilizados pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) para trabalhar no Brasil.

As imagens mostram a relação de proximidade entre profissionais e pacientes, como a de uma idosa que é atendida em casa no município de Vitória, Espírito Santo, ou a de um médico rodeado pelos moradores da reserva indígena Trocará, localizada no Estado do Pará.

Também são registradas práticas comuns entre clínicos gerais, como o uso do estetoscópio para escutar os sons internos do corpo, a medição de pressão arterial, o aconselhamento para estimular as pessoas a terem hábitos de vida mais saudáveis e o acompanhamento de crianças e gestantes.

As fotos demonstram ainda trajetos que, por vezes, as médicas e médicos precisam percorrer para chegar até a casa de moradores de áreas de difícil acesso, como certas regiões da Ilha de Marajó, no Pará, onde é necessário se deslocar de barco.

Mais Médicos
O Mais Médicos foi criado em 2013 pelo Governo Federal brasileiro, com o objetivo de suprir a carência desses profissionais nos municípios do interior e periferias das grandes cidades. A Representação da OPAS/OMS no Brasil colabora com a iniciativa intermediando a vinda de médicos de Cuba para atuar em unidades de saúde do país.

Os médicos cubanos atuam na área de Atenção Básica, atendendo pessoas com diabetes, hipertensão e hanseníase, entre outras doenças, além de promoverem ações educativas. Eles também estão entre os profissionais que trabalham na prevenção e diagnóstico do vírus zika e no acompanhamento de crianças com microcefalia.

Um estudo feito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) – com aproximadamente 14 mil entrevistas – apresentou avaliações positivas da população sobre o desempenho dos profissionais brasileiros e estrangeiros que integram a iniciativa. Do total de entrevistados, 81% possuem baixa renda e 95% afirmaram estar satisfeitos com o programa. De 0 a 10, deram nota 8,4. Entre os indígenas, a média foi de 8,7.

Experiência bem-sucedida
A publicação “Good Practices in South-South and Triangular Cooperation for Sustainable Development”, primeira de uma série desenvolvida pelo Escritório das Nações Unidas para a Cooperação Sul-Sul e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), apresentou o Programa Mais Médicos como uma das boas práticas relevantes para a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

De acordo com a publicação, o programa “é replicável e seria potencialmente benéfico em qualquer país que decidisse adotá-lo”. A avaliação é que o Brasil fez investimentos substanciais para a realização do projeto, no entanto, os benefícios de longo prazo “provam superar esses investimentos”. Estados-Membros da OPAS já demostraram interesse em relação ao programa.

Fonte: Opas/OMS

 

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página