Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Cursos e Eventos > PE: Chikungunya é discutida em congresso e visita internacional
Início do conteúdo da página
Cursos e Eventos
  • publicado
  • Publicado: Terça, 13 de Junho de 2017, 09h00
  • Última atualização: 13/06/17 18h56

PE: Chikungunya é discutida em congresso e visita internacional

da44dcb7-d843-4676-9cdb-21948e384d3bO Serviço de Reumatologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (HC-UFPE) recebeu, na última sexta-feira, 9, um grupo de pesquisadores da Universidade de Liverpool, Inglaterra, que estuda arboviroses, como a Dengue, Chikungunya e Zika. O encontro serviu para trocar informações e abrir a possibilidade de firmar parceria científica para a realização de novos estudos. O HC-UFPE é unidade filiada à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

“Apresentamos os nossos estudos sobre Chikungunya e tudo o que estamos fazendo no Serviço de Reumatologia do HC-UFPE a respeito da arbovirose. Também estamos buscando parceria com esse grupo de pesquisa chamado Zika Plan”, explicou a reumatologista Cláudia Marques.

O professor de Neurologia e diretor do Institute of Infection and Global Health (Instituto de Infecção e Saúde Global) da Universidade de Liverpool, Tom Solomon, está chefiando o Zika Plan em sua estada no Brasil. Os ingleses ficarão no país nos próximos dias e visitarão instituições no Rio de Janeiro.

Tema em congresso

Nos dias 14 a 17 deste mês, o Serviço de Reumatologia do HC participa do Congresso Anual Europeu da especialidade (Eular), em Madri, na Espanha, com três trabalhos aprovados sobre a Chikungunya, apresentados pelas médicas Ângela Duarte, Cláudia Marques e Aline Ranzolin.

Os trabalhos, em formato de pôster e inseridos na seção “Guided poster tours”, são frutos de um estudo de coorte multicêntrico, intitulado Coorte ChikBrasil, coordenado pelo HC-UFPE, com participação de mais seis centros em quatro estados do país. “O objetivo desse estudo de coorte é obter dados para embasar futuras decisões terapêuticas. Ele foi iniciado em abril de 2016 e conta com informações de 732 pacientes de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Sergipe que apresentaram a Febre Chikungunya com manifestações articulares crônicas”, explicou Cláudia Marques.

Cláudia explica que um dos pôsteres, intitulado Chikungunya Outbreak in Brazil: Demographic and Clinical Characterization of 732 patients – ChikBrasil Cohort, traça uma descrição geral dos pacientes que participam da pesquisa Coorte ChikBrasil. “É uma espécie de perfil clínico e demográfico desses pacientes”, pontuou. Alguns dados coletados foram: 83% dos pacientes são mulheres; 65% são economicamente ativos (trabalhando) e tiveram uma média de 15 dias de interrupção do trabalho por conta da doença; 67% chegam ao Serviço de Reumatologia na fase crônica, entre outros.

O outro estudo que será apresentado, Concordance between Clinical-Epidemiological Criteria and Chikungunya Fever Serology, aborda a concordância entre os critérios clínico-epidemiológicos e o resultado da sorologia para a Febre Chikungunya. Este trabalho demonstrou haver um alto índice de concordância entre o exame clínico para detectar a Chikungunya e o resultado do exame de sorologia. “Com isso, num local onde há a epidemia instalada, posso confirmar a doença do paciente apenas pelo exame clínico, não sendo imprescindível a sorologia”, acrescentou Cláudia.

E, por fim, o HC também terá uma terceira contribuição no evento por meio de um estudo que fez uma avaliação de como evoluíram os pacientes, que tinham uma doença reumatológica prévia, após a Chikungunya. O pôster foi intitulado Chikungunya Fever in Patients with Prior Rheumatic Diseases: is it more severe?.  “Observamos que muitos desses pacientes não tiveram uma piora significativa em seu quadro, principalmente, aqueles que estavam sendo medicados com biológicos”, afirmou.

Sobre a Ebserh

Desde dezembro de 2013, o HC-UFPE é filiado à Ebserh, estatal vinculada ao Ministério da Educação, que administra atualmente 39 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

O órgão, criado em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações nas 50 unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

Fonte: Ebserh com informações do HC-UFPE

 

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página