Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Entenda o SUS > Documentário destaca o trabalho de imunização no Brasil
Início do conteúdo da página
Entenda o SUS
  • publicado
  • Publicado: Terça, 11 de Abril de 2017, 08h02
  • Última atualização: 10/04/17 20h03

Documentário destaca o trabalho de imunização no Brasil

 

docsesai

Documentaristas da OPAS/OMS vieram ao Brasil para mostrar como o trabalho de imunização, desde o acondicionamento e transporte de imunobiológicos, até a atuação das equipes de saúde nas aldeias indígenas, se transformou num exemplo para o mundo

Quinta-feira (23), Tabatinga (AM). São sete horas da manhã e a enfermeira Bruna Araújo se prepara para mais uma jornada de trabalho. Logo mais, embarcará em uma voadeira, espécie de barco veloz, com destino a Belém do Solimões, a maior aldeia indígena do Amazonas, com mais de seis mil habitantes. Este será mais um plantão de 20 dias de trabalho ininterruptos em área. Sobre a mesa da unidade, Bruna arruma algumas caixas térmicas, termômetros e se debruça sobre uma pilha de papel. Ela confere atentamente cada detalhe, os quantitativos, a temperatura, o acondicionamento de cada vacina.

 

Até Belém do Solimões são mais duas horas de viagem. Chegando à aldeia, a enfermeira transporta as caixas térmicas até a unidade de saúde, a 300 metros da margem do rio, onde uma sala de vacina, equipada com geladeira, acondiciona os imunobiológicos trazidos desde Tabatinga (AM). Neste período do ano, as águas do Solimões já estão altas. E ainda podem subir mais.

“É um deslocamento muito difícil durante todo o ano, pois até quando o rio está seco as dificuldades também são grandes”, frisa Bruna. No alto Solimões, cerca de 95% das aldeias indígenas têm seu acesso unicamente por meio fluvial. “Belém do Solimões é um polo que cobre outras 28 aldeias. Em muitas delas, o acesso só acontece com pequenas canoas”, complementa a enfermeira, que há seis anos se dedica ao trabalho de imunização dos indígenas da região.

A tarefa de Bruna não difere da que é realizada pelas demais 23 Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena (EMSI) que existem no Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Alto Rio Solimões. A cada entrada em área, todo o trabalho logístico para ter o acesso às aldeias e vacinar a comunidade com o esquema completo é realizado sistematicamente. “Hoje já está muito melhor, graças à chegada da energia elétrica às aldeias. Mas até então, as vacinas eram todas acondicionadas em caixas térmicas de isopor e monitoradas por termômetros hora a hora”, destaca a enfermeira. Mesmo com todas as dificuldades logísticas, o DSEI mantém uma das melhores coberturas vacinais de todo Brasil, com quase 95% de toda população com esquema vacinal completo.

 

DOCUMENTÁRIO
Todo este esforço para garantir a chegada dos imunobiológicos até as aldeias em condições de utilização, bem como a mobilização e aceitação da comunidade indígena para receber a vacina, foi registrado pelos olhares atentos dos documentaristas e representantes da área de multimídia da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/Washington, D.C), Ary Rogério Silva e Harold Ruiz.

Durante o mês de março, eles estiveram nas cidades do Rio de Janeiro, Manaus e Tabatinga (AM) para acompanhar todo o percurso e manejo das vacinas, desde a sua chegada à Central Nacional de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Cenadi), passando por uma central regional, até sua chegada em um município e, depois, numa comunidade indígena.

“Esta é uma das etapas mais importantes de todo trabalho de imunização, que é a logística. A produção dessas vacinas demanda altos investimentos e se a vacina não chega à ponta com condições de ser aplicada é dinheiro que se joga fora e vidas que você deixa de cuidar”, frisa Ary Rogério.

De acordo com ele, a cooperação técnica celebrada entre a OPAS/OMS e o Ministério da Saúde tem consolidado o Brasil como uma referência para os demais países da América Latina. “O Brasil é um exemplo em campanhas de vacinação desde as décadas de 60 e 70, quando começaram a ser produzidas as primeiras campanhas de vacinação para toda população. Hoje, já é um exemplo copiado por diversos países”, destaca Ary Rogério.

Neste ano, OPAS e Ministério da Saúde celebram 15 anos do Mês de Vacinação das Américas. No próximo dia 29, juntamente com a abertura solene do Mês de Vacinação dos Povos Indígenas (MVPI), o evento será lançado no Brasil. “Esperamos levar este documentário que estamos produzindo para que seja exibido durante a solenidade”, informa Ary.

 

Logística Vacinal em Área Indígena

 

Fonte: Sesai - Secretaria Especial de Saúde Indígena.

 

Registrado em:
Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página