Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Matérias Especiais
Início do conteúdo da página

Matérias Especiais

Matérias Especiais
  • publicado
  • Publicado: Quarta, 16 de Novembro de 2016, 15h04
  • Última atualização 16/11/16
  • 17h29

Conheça a história de pacientes que deixaram os hospitais para se tratar melhor em casa

melhoremcasaQuando pensamos em pacientes que precisam de tratamentos contínuos e intensivos, a primeira lembrança que vem à mente são meses de internações em hospitais ou outras unidades de saúde. Felizmente, nem todos os casos precisam ser assim. Alguns desses pacientes podem ser cuidados em casa, junto da própria família. O convívio familiar auxilia na recuperação e evolução dos doentes, traz mais conforto aos parentes – que não precisam alterar suas rotinas – e garante um menor tempo de permanência nos hospitais, dando disponibilidade dos leitos àqueles que precisam de internação.

Desde 2011, com auxílio dos profissionais que integram o Programa Melhor em Casa, o Sistema Único de Saúde garante o tratamento domiciliar. Atualmente, o programa conta com 925 equipes em 25 estados, dividas em 340 municípios. Toda essa força-tarefa proporciona cobertura para aproximadamente 50 milhões de brasileiros. “É importante consolidar essa modalidade de cuidado na rede de atenção à saúde, principalmente, para os pacientes de doenças crônicas e complexas, para evitar as hospitalizações desnecessárias”, destaca a coordenadora-geral de Atenção Domiciliar do Ministério da Saúde, Mariana Borges.

Registrado em:
Matérias Especiais
  • publicado
  • Publicado: Sexta, 11 de Novembro de 2016, 11h16
  • Última atualização 14/11/16
  • 11h36

No Brasil nasce uma criança com fissura labiopalatal a cada 650 nascimentos

Tratamento especializado às pessoas com fissura labiopalatal é ofertado no SUS desde 1994. Centrinho de Bauru (SP) é referência no atendimento no país

labiosleporinos
Mesmo que haja uma expectativa alta em relação ao nascimento de um bebê, algumas vezes os pais encontraram desafios, antes mesmo de o parto acontecer. Entre os possíveis percalços no meio do caminho, numa ecografia, pode ser diagnosticado no bebê a existência das chamadas fissuras labiopalatal. A cada 700 a 1000  nascimentos no mundo, uma criança pode nascer com o problema. No Brasil é uma para cada 650 nascimentos, segundo informações do  Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) da Universidade de São Paulo (USP).

Sabe-se que às fissuras labiopalatais  estão entre as  anomalias congênitas mais comuns em bebês recém-nascidos e são as mais frequentes das chamadas anomalias craniofaciais.

Entende-se por anomalia craniofacial qualquer defeito ou lesão estrutural anatômica que acomete na face e/ou crânio e que ocorre durante a formação do bebê na gestação. O problema ocorre no início da gravidez, no período embrionário do feto, logo nas primeiras semanas. Podem acometer o lábio ou o lábio até o rebordo alveolar (gengiva) e se forma até a 8ª semana de gestação, enquanto que a fissura de palato (goela de lobo) é formada até a 12ª semana. As fissuras isoladas de lábio são mais comuns em meninos, enquanto que a de palato isolada em meninas.

Registrado em:
Matérias Especiais
  • publicado
  • Publicado: Terça, 01 de Novembro de 2016, 10h00
  • Última atualização 03/11/16
  • 11h43

Implante coclear devolve a capacidade de ouvir para quem tem perda auditiva

implantecoclearCaio durante ativação do Implante Coclear. Foto: Rodrigo Nunes/MSPara quem ouve, imaginar como seria um mundo sem sons pode parecer difícil. Para muitas pessoas surdas, esta é a realidade. Pacientes que têm deficiência auditiva severa a profunda não conseguem ouvir nada ou, se ouvem, são apenas alguns ruídos. Nesses casos, os aparelhos auditivos não funcionam e a esperança de um dia ouvir vem de um implante coclear.

O implante consiste em uma prótese colocada dentro da cóclea (parte interna do ouvido) através de uma cirurgia, e outra presa ao redor da orelha, composta pela antena e o processador de fala. O aparelho capta os sons e transfere diretamente este som para o nervo auditivo, possibilitando que o paciente gradativamente comece a ouvir.

Registrado em:

Hospital do Paraná é exemplo de gestão e atende 98% pelo SUS

Uma dor no braço direito fez o médico pedir um exame de ressonância magnética para a Sirlene de Fátima. Ela conta que estava apreensiva com o procedimento, mas tudo mudou assim que...

Tags: Hospital , Paraná , Matéria Especial , Hospital do Rocio
  • publicado
  • 20/10/16
  • 09h15

Entenda a importância do teste do pezinho para o bebê

  Fotos: Rodrigo Nunes O teste do pezinho é uma das principais formas de diagnosticar precocemente seis doenças. A família deve levar o recém-nascido a uma unidade de saúde...

Tags: teste do pezinho
  • publicado
  • 11/10/16
  • 11h30

MEDICAMENTOS: Saiba como descartar corretamente e as consequências de jogar remédios no lixo comum

A legislação brasileira define que medicamento é todo produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de...

  • publicado
  • 05/10/16
  • 10h59

Facebook

Twitter

Fim do conteúdo da página