Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Promoção da Saúde > Saúde da Criança: Chupar os dedos pode ser estresse emocional
Início do conteúdo da página
Promoção da Saúde
  • não publicado
  • Publicado: Quinta, 13 de Setembro de 2012, 08h48
  • Última atualização: 04/09/14 13h40

Saúde da Criança: Chupar os dedos pode ser estresse emocional

Foto: Corbis Images

Chupar o dedo é um hábito de quase todos os bebês. Segundo o coordenador da Saúde da Criança do Ministério da Saúde, Paulo Bonilha, o hábito aparece naturalmente e faz parte do desenvolvimento dos pequenos. No entanto, muitas crianças continuam com a mania após os dois anos de idade.

A professora Sanya da Glória sabe bem disso. ”Minha filha Maria Clara, ela chupa o dedo desde os dois anos, ela está completando seis anos e não larga o dedo de jeito nenhum. É o tempo todo, se não estiver com o dedo é chorando”.

Após os dois anos de idade, chupar o dedo pode prejudicar o desenvolvimento dos dentes. De acordo com Bonilha, grande parte das crianças com mais de dois anos que ainda chupam dedo pode estar com estresse emocional, por causa do nascimento de um irmão, por exemplo. Paulo Bonilha, dá dicas aos pais para resolver o problema nesses casos: ”Se tem alguma situação que está levando a criança a se sentir carente, estressada emocionalmente, que ela seja compensada de alguma forma. Leva-la mais ao colo, enfim, é preciso compensá-la para que ela não busque a sucção como alivio.”

O coordenador da Saúde da Criança condena um velho costume: colocar substâncias de sabor ruim nas mãos das crianças. Segundo ele, essas não são medidas recomendadas para evitar que as crianças levem o dedo na boca: ”São muito agressivas e podem até mesmo ser perigosas, de colocar pimenta, excrementos de galinha, são coisas que eventualmente a gente vê acontecendo popularmente e que não são sugeridas de forma alguma.”

O hábito de chupar os dedos também prejudica o desenvolvimento da fala e até mesmo mastigar e engolir. Caso os pais tenham dificuldade para resolver o problema, a dica é procurar um profissional de saúde para receber novas orientações.

Fonte: Débora Rocha / Web Rádio Saúde

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página