Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Promoção da Saúde > Entenda a diferença entre as dores agudas e crônicas
Início do conteúdo da página
Promoção da Saúde
  • não publicado
  • Publicado: Terça, 04 de Dezembro de 2012, 08h22
  • Última atualização: 25/09/13 15h02

Entenda a diferença entre as dores agudas e crônicas

Foto: Corbis Images

Ela é um dos cinco sinais vitais para mostrar como está a saúde de uma pessoa. A dor aguda é semelhante à febre, surge de repente e precisa ter descoberta a causa que, uma vez resolvida, faz desaparecer o sintoma inicial. Quando ela dura mais de seis meses, torna-se crônica e deixa de ter alguma função aviso e se torna uma doença.

Cerca de 30% dos brasileiros sofrem com ela. Repetidamente. Periodicamente. Para esta parcela, a dor não é sintoma, sinal, aviso: é a própria doença. “A dor crônica é considerada doença porque perde a finalidade de alerta ao organismo. Ela produz incapacidade física, alteração psicológica e social”, diz o médico Newton Barros, chefe do Serviço da Dor e Cuidados Paliativos do Grupo Hospitalar Conceição (GHC), vinculado ao Ministério da Saúde, e com mais de 26 anos de experiência no assunto. Entre os casos de dores crônicas estão as enxaquecas, sofrimentos de coluna, musculares, provocadas por câncer e outras.

Independente do tipo ou das causas, a dor precisa ser tratada. “O primeiro passo é procurar um médico para fazer um diagnóstico e indicar o melhor tratamento”, aconselha Barros.

Os tipos de dores:

AgudaO que é? Serve como alerta para o organismo de que algo não está bem. É um sintoma, uma reação.
Como identificar? Dura o tempo “esperado”, geralmente menos de três meses, não é contínua ou regular e surge de repente.
Exemplos? Colisão que deixa corpo machucado (como bater em uma porta, por exemplo), pedra nos rins, dor forte no peito que pode indicar um infarto, dificuldade na respiração que pode ser causado por uma pneumonia, entre outros.
Como tratar? Como é o indicador de diversas doenças, não há tratamento único. O primeiro passo é tratar a causa da dor.

Crônica - O que é? Pode ser sintoma de doenças existentes ou – o mais surpreendente – não ter qualquer causa demonstrável em exames. Portanto, ser a própria doença.
Como identificar? Dura mais que do que tempo esperado, depois da fase necessária para o tratamento. Ainda se enquadra caso for contínua, tiver períodos regulares ou crises intermitentes – com duração superior a três meses.
Exemplos? Dor na coluna, lombar, alguns tipo de dor de cabeça (enxaqueca), dor do câncer, do nervo ciático, entre outros.
Como tratar? Além de medicação prescrita por médico, geralmente com analgésicos, é comum necessitar de antidepressivos também, pois a dor atinge o lado psicológico do paciente, já que o imobiliza ou afeta o cotidiano. É preciso um tratamento não apenas com remédios, mas com uma equipe multidisciplinar que estude todas as causas da dor – psicológicas e físicas.

Caso a pessoa tenha algum dos sintomas, é preciso procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais perto de sua residência.

Fonte: Maria Vitória / Comunicação Interna e Conteúdo Web

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página