Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Promoção da Saúde > A Meta é Saúde: alternativas para o ultraprocessado e uma corrida diferente
Início do conteúdo da página
Promoção da Saúde
  • publicado
  • Publicado: Quinta, 04 de Maio de 2017, 10h03
  • Última atualização: 15/09/17 12h07

A Meta é Saúde: alternativas para o ultraprocessado e uma corrida diferente

Gabi2Quando listei minha rotina percebi o quanto já tinha conseguido incluir alguns hábitos saudáveis na vida, mas os que restaram eram uns “queridos”. Eram aqueles que deixei para me apegar e nunca questionar. Quase que sagrados. Mas chegou a meta e parecia super simples tomar suco ou chá no café da manhã. Um dia, claro, tudo bem... Mas evitar o achocolatado?!  Acho que para entender do que realmente estamos falando quando recebi a meta, é preciso entender o grau de processamento dos alimentos e onde o achocolatado está nesse contexto.

A Rita Lobo é uma das pessoas que todo mundo ouve falar sobre isso e a base dessa coisa que é o “grau de processamento” está no Guia Alimentar para a População Brasileira. De acordo com o Guia, o tipo  de  processamento a que são submetidos os   alimentos antes de sua aquisição, preparo e consumo é determinante para uma alimentação saudável.

Quatro categorias de alimentos são abordadas no Guia:

  • A  primeira  reúne  alimentos  in  natura ou  minimamente  processados.  Os alimentos  in  natura são  aqueles  obtidos  diretamente de plantas ou de animais (como folhas e frutos ou ovos e leite) e adquiridos para consumo sem que tenham sofrido   qualquer   alteração   após  deixarem   a   natureza.  Alimentos   minimamente   processados   são   alimentos   in natura que,  antes  de  sua  aquisição,  foram  submetidos  a  alterações  mínimas.  Exemplos incluem grãos secos, polidos e  empacotados  ou moídos  na  forma  de  farinhas,  raízes  e  tubérculos  lavados,  cortes  de  carne  resfriados  ou  congelados  e  leite  pasteurizado. Como a minha meta é evitar o consumo do achocolatado, o cacau seria o meu exemplo aqui de in natura e  minimamente  processado.
  • A segunda categoria corresponde a produtos extraídos de alimentos in  natura ou  diretamente  da  natureza  e  usados  pelas  pessoas  para  temperar   e   cozinhar   alimentos   e   criar   preparações   culinárias.   Exemplos  desses  produtos  são:  óleos,  gorduras,  açúcar  e  sal.  
  • A    terceira    categoria    corresponde    a    produtos    fabricados    essencialmente  com  a  adição  de  sal  ou  açúcar  a  um  alimento  in natura ou minimamente processado, como legumes em conserva, frutas em calda, queijos e pães.
  • A quarta  categoria  corresponde  a  produtos  cuja  fabricação  envolve  diversas  etapas  e  técnicas  de  processamento  e  vários  ingredientes,  muitos   deles   de   uso   exclusivamente   industrial.   Exemplos   incluem   refrigerantes, biscoitos recheados, “salgadinhos de pacote” e “macarrão instantâneo”. O achocolatado está inserido então nesse grupo. Explicando isso, precisamos entender qual é a recomendação do Ministério da Saúde dentro do Guia Alimentar.

Gabi1No Guia está escrito algo mais ou menos assim: Se você quer ter saúde então deveria fazer dos alimentos in natura e minimamente processados a base da sua alimentação. E aí eu entendo que em relação a esses, estou liberada e posso colocar comer a vontade no meu dia a dia com a  minha família.

Já os ultraprocessados é melhor evitar o consumo...

O Guia coloca assim: Devido a seus ingredientes, alimentos ultraprocessados – como biscoitos recheados, “salgadinhos de pacote”, refrigerantes e “macarrão instantâneo”, – são nutricionalmente desbalanceados. Por conta de sua formulação e apresentação, tendem a ser consumidos em excesso e a substituir alimentos in natura ou minimamente processados. Suas formas de produção, distribuição, comercialização e consumo afetam de modo desfavorável a cultura, a vida social e o meio ambiente.

Por essa razão a minha meta era essa.

Feito os devidos esclarecimentos, preciso falar das alternativas qu encontramos lá em casa para cumprir a meta. Para isso, convoquei os universitários meninos lá de casa para, junto comigo, montarmos a bebida que entraria no nosso café da manhã.

Com essas ideias, você confere como foi a semana no resumo da meta, os desafios, alegrias e será que houve alguma tristeza? Teve tristeza não!  Foi diferente, mas é engraçado como a gente se acostuma com  as coisas. Acho todas as opções que usamos eram conhecidas lá em casa e deliciosas, mas sabe quando a gente nem cogita alternativas para um hábito? Como se ele fosse a única opção para sempre amém.

Meta de Alimentação Saudável cumprida então na 4ª semana!  

A Corrida

Confesso que quando eu ouvi corrida intergeracional levei um susto! Como? Inter o quê mesmo? É comigo mesmo?

Apesar do nome ser desconhecido e parecer uma coisa difícil até de fazer, eu e a Aline entendemos que se tratava apenas de uma atividade ao ar livre onde estaríamos em pares e com pessoas de várias idades diferentes. A gente tinha aquela semana para organizar tudo e a área técnica do Ministério da Saúde deu todo o suporte para o dia.

Catei a sogra, o sogro, a cunhada e o cunhado, meninos no carro e fomos ao parque da cidade, como combinado, às 9h da manhã do domingo para  participar da meta de Atividade Física.

Correu eu. Correu João. Correu Gael. Correu Levi. Sim, até o Levi. Corremos todo o percurso e me surpreendi já que foi mais fácil do que pronunciar o tipo da corrida pela primeira vez.

Ninguém dos meus tinha participado de algo do tipo e sabe que essa atividade e se o Levi, de 4 anos, conseguiu fechar o percurso, muitas outras pessoas conseguiriam também. Tenha coragem! Mas te dou uma dica: Fazer uma atividade física pode ser mais prazeroso e uma forma de começar já a mudança de vida.

Se a corrida não for a mais indicada para você, tente a bike, a natação ou a hidroginástica mesmo que tem bastante música. Se no final das contas não gostar de nenhuma, chame a vizinha, o filho, algum amigo para, pelo menos, ir a padaria andando e faça disso um novo hábito. Por que não?!

Não há como se despedir da Meta é Saúde e o objetivo final não é ganhar uma medalha. A ideia de toda essa série é trazer alternativas para a construção de novos hábitos.  E, para mim, há dias mais fáceis e outros mais difíceis, mas a gente segue... Um dia atrás do outro focados em todas as alternativas para uma vida mais saudável.

Gabi Kopko

Confira todos os capítulos do A Meta É Saúde

A Meta é Saúde 1 - ter hábitos saudáveis é mais fácil do que você pensa

A Meta é Saúde 2 - Começar é difícil, mas é sempre possível

A Meta é Saúde 3 - Como escolher frutas, legumes e verduras

A Meta é Saúde 4 - Aos poucos, as coisas vão dando certo!

A Meta é Saúde 5 - resgate de receitas regionais e muita brincadeira

A Meta é Saúde 6 - lanches e como limpar os alimentos corretamente

A Meta é Saúde 7 - Cada semana, uma nova surpresa!

A Meta é Saúde 8 - Chegamos ao fim?

A Meta é Saúde 9 - alternativas para o ultraprocessado e uma corrida diferente

 

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página