Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Promoção da Saúde > Dia Mundial da Higiene das Mãos – 5 de maio
Início do conteúdo da página
Promoção da Saúde
  • publicado
  • Publicado: Sexta, 04 de Maio de 2018, 17h46
  • Última atualização: 04/05/18 18h01

Dia Mundial da Higiene das Mãos – 5 de maio

lavar as mãos - caimacanulDesde criança aprendemos com nossos pais a importância de lavarmos as mãos antes das refeições e após irmos ao banheiro. Mas você sabia que o simples fato de lavarmos as mãos impede o surgimento de diversas infecções como diarreia, gripe, resfriado, doenças de pele e infecções no estômago?

Em Instituições de Saúde, a higiene eficaz das mãos desempenha um papel fundamental permitindo a segurança de pacientes e profissionais da saúde. Infecções relacionadas à assistência à saúde são infecções adquiridas durante a prestação de cuidados de saúde e constituem um fator de risco para o desenvolvimento de sepse. Mas podemos evitar isso!

A higiene eficaz das mãos desempenha um papel fundamental na prevenção de infecções. No dia mundial da higiene das mãos (5 de maio), o foco para todos deve ser a prevenção da sepse.
Em 2018, o tema da Campanha Mundial Salve vidas: higienize suas Mãos, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é “Está em nossas mãos à prevenção a sepse”.

Veja também - Lavar as mãos: ato simples previne doenças

De acordo com o Enfermeiro da Estratégia de Saúde da Família do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria - Ensp/Fiocruz, Julio Cesar Pegado Bordignon, as mãos são o principal veículo de transmissão de microrganismos e contribuem para a disseminação de diversos agravos como gripe, doenças gastrointestinais, infecções de pele entre outros.

Bordignon afirma que a higienização das mãos pode ser feita de duas maneiras: com água e sabonete ou com preparação alcoólica (70%), dependendo da ocasião e das condições que se encontrem as mãos. A primeira pode ser utilizada quando as mãos estiverem visivelmente sujas ou contaminadas com sangue e outros fluidos corporais, ao iniciar o turno de trabalho, após ir ao banheiro, antes e depois das refeições, antes do preparo de alimentos, antes do preparo e manipulação de medicamentos. Já a segunda deve ser feita quando as mãos não estiverem visivelmente sujas antes e após contato com o paciente, antes de realizar procedimentos assistenciais e manipular dispositivos invasivos, após o risco de exposição a fluidos corporais, após o contato com objetos inanimados e superfícies imediatamente próximas ao paciente.

Julio conclui que cabe então destacar que a higienização das mãos é uma medida preventiva, simples e barata, devendo esta ser um hábito que a população em geral necessita incorporar ao seu cotidiano para minimizar a transmissão de agentes infecciosos.

De acordo com dados da OMS, estima-se que a sepse afeta mais de 30 milhões de pacientes todos os anos em todo o mundo. Participe ativamente da campanha e ajude a prevenir a sepse em serviços de saúde por meio da prática da higiene das mãos e aprimoramento das ações de prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) em sua instituição.

Todos pela ação no dia 5 de maio:

Trabalhadores da saúde: “Tome 5 Momentos para limpar suas mãos para prevenir sépsis nos cuidados de saúde”.
Líderes do IPC: “Seja um defensor na promoção da higiene das mãos para prevenir a sepse nos serviços de saúde”.
Líderes de estabelecimentos de saúde: "Evite a sepse nos serviços de saúde, faça da higienização das mãos um indicador de qualidade em seu hospital".
Ministérios da saúde: "Implemente a resolução da sépsis de 2017 da WHA. Torne a higiene das mãos um marcador nacional da qualidade dos cuidados de saúde."
Grupos de defesa do paciente: "Peça 5 minutos de mãos limpas para prevenir a sepse nos cuidados de saúde".


O Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente (Proqualis) é uma iniciativa do Ministério da Saúde, conduzida pelo Icict/Fiocruz, realiza webinares mensais em diferentes assuntos relacionados a temas da segurança do paciente.

Por Annalu Pinto da Silva (Proqualis/Fiocruz/MS)

 

 

 

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página