Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Promoção da Saúde > 10 dicas para um parto humanizado
Início do conteúdo da página
Promoção da Saúde
  • publicado
  • Publicado: Quarta, 30 de Maio de 2018, 16h30
  • Última atualização: 01/06/18 10h20

10 dicas para um parto humanizado

33103054 2036019049750034 5980034282213605376 nO nascimento de um bebê é o momento mais esperado de uma gravidez e o desejo de toda mãe é que a chegada do seu filho aconteça de uma forma leve que envolva amor, afeto e respeito. O parto é um momento de grande intensidade, uma vivência que marca para sempre a vida de uma mulher. Neste momento, a mulher terá a chance de experimentar sensações e sentimentos que podem fortalece-la como mulher e mãe. A equipe de profissionais que atendem a mulher e seu (a) acompanhante devem promover o acolhimento e ofertar métodos para que o trabalho de parto e parto sejam ativos. Essas características marcam o parto humanizado, que por meio de diversos recursos, proporciona às gestantes mulheres e aos bebês o conforto e a segurança para aproveitar com prazer esse momento único.

Durante o trabalho de parto, a mulher tem direito a um ambiente sossegado, privativo, arejado e com a presença de seu (a) acompanhante. A cesárea pode ser importante e necessária para salvar a vida da mulher e da criança. Os detalhes que tornam o nascimento dos bebês mais emocionantes e acolhedores, a ginecologista Maria Belonia nos conta aqui:

 

Luz

O útero é um lugar escuro, e para que os bebês não sintam uma grande diferença ao chegar ao mundo, é possível criar um ambiente com uma iluminação fraca, semelhante a uma penumbra para a hora do nascimento. Essa opção é mais comum quando o parto ocorre dentro de um hospital.

Conversas

Os bebês escutam desde o terceiro mês da gestação, assim uma forma de acolhê-los, antes mesmo da sua chegada, é por meio de conversas, dizendo o quanto são bem-vindos, amados e esperados. Durante as contrações, essa mesma prática acalma mãe e filho e serve também para explicar ao bebê que ele irá nascer.

Colo de mãe

No parto humanizado, logo após o nascimento, o bebê é entregue aos braços da mãe ainda com o cordão umbilical intacto. O médico francês e especialista em recém-nascidos, Jean Pierre Relier, em uma de suas pesquisas, explicou que o contato pele a pele nos primeiros minutos de vida fora do útero tem grande importância para a vida do bebê, pois o permite recriar o ambiente sensorial e emocional com facilidade. Esse momento é um dos mais emocionantes e profundos do nascimento, por ser o primeiro contato direto entre mãe e filho e o início de uma nova fase de vida para os dois.

Música

A música tem grande poder em nossas mentes, corações e almas para gerar sentimentos, emoções e para marcar momentos especiais. Durante o parto humanizado, todos esses benefícios podem ser aproveitados para dar segurança, hospitalidade e alegria à família. As músicas são escolhidas pelas mães e podem ser incluídas no plano de parto.

Corte do Cordão Umbilical

Mãe e bebê estão conectados de várias formas, mas o cordão umbilical é a melhor representação física desse elo entre os dois. É por ele que o bebê recebe da mãe nutrientes, anticorpos e oxigênio. Nos partos humanizados, pode ser oferecido à mãe ou ao acompanhante a oportunidade de cortar o cordão umbilical. Para esse momento, espera-se de dois a três minutos para o cordão parar de pulsar, e após isso faz-se o corte.

Posição para ter o bebê

A melhor posição para se ter um filho está ligada ao conforto da mulher e pode variar de mulher para mulher. As posições agachada (de cócoras) e semi-sentada estão entre as mais escolhidas. A primeira, além de ser confortável, também permite ao pai ou outro acompanhante que participe de forma mais intensa do nascimento do bebê, dando suporte à mãe no momento em que ela faz força. Assim, abraçando-a pelas costas, ele (a) consegue gerar um contrapeso que a ajuda a continuar o trabalho de parto. Na semi-sentada, os pais podem ficar ao ladinho das mães, oferecendo apoio, carinho e amor.

Água 

A água morna tem um grande poder de aliviar as dores causadas pelas contrações, pois ela ajuda o corpo da mulher a aumentar a irrigação sanguínea, diminuir a pressão arterial, e proporcionar o relaxamento muscular. Em alguns partos humanizados, as mães têm os seus bebês em banheiras e assim eles acabam nascendo em um ambiente semelhante ao do útero.

Equipe Médica

O bem-estar de uma mulher durante o parto humanizado também está ligado diretamente à equipe que a atende. Ela precisa sentir confiança, apoio e tranquilidade dos profissionais.

Doulas 

A palavra doula significa "mulher que serve", e durante o parto ela realmente está ali para ajudar a mulher, oferecendo suporte físico e mental, em tudo o que ela precisar. Dando forças, por meio de massagens, exercícios, orientações para encontrar as posições mais confortáveis e estabelecendo uma boa comunicação.

Amor e afeto

"O parto é um momento de empoderamento da mulher, ligado aos sonhos dela, às vivências que ela teve, às expectativas que ela construiu e é preciso respeitar tudo isso. É necessário preparar todo o ambiente para que ela se sinta o mais à vontade possível para trilhar esse caminho. Sem julgamentos, sem energias ruins, mas sim com muito amor e afeto, dando todo o apoio que ela precisa. Não há maneira melhor de tornar um parto humanizado do que sendo solidário a outras vidas", explica Drª Angélica.

Relato das Mães 

Ana Kátia Covre é mãe da pequena Pietra e apresentadora de televisão. O nascimento de sua primeira filha aconteceu por meio de uma cesárea, que apesar de não ter sido o que ela desejava no início, a deixou super feliz, pelo carinho, apoio e amor que encontrou durante todo o parto.

"Não tenho dúvidas de que tive uma cesárea humanizada, com um corte pequeno, vendo minha filha nascer, ouvindo passo a passo do que estava sendo feito comigo. O meu abraço foi o primeiro que Pietra experimentou. Ela me foi entregue no seu primeiro instante de mundo, momento em que eu e meu marido tivemos a primeira chance de beijá-la, de cheirá-la. Um instante de amor. Alan, que já havia me avisado sobre talvez não conseguir cortar o cordão, até decidiu por cortar. O espaço era tão maravilhoso que ele se sentiu calmo para participar dessa forma. Me senti valorizada. Foi incrível, indescritível. Lágrimas nos olhos é um bom resumo!"

Alline Passamani é mãe de Rodriguinho, cirurgiã dentista e criadora do Blog Papo de Casada, onde compartilha estórias de sua vida como mãe e esposa. Além disso, ela também dá dicas no instagram @blogpapodecasada sobre vários temas. Ela passou toda a gestação desejando um parto normal e conseguiu.

"A fase mais difícil e dolorosa foi o período expulsivo que durou três horas. A dor maior foi quando ele começou a “coroar”. Senti o círculo de fogo que tanto tinha lido. E às 13:45h, ele estava nascendo. Uma mistura de sensações muito louca! Vivi as horas mais intensas e emocionantes da minha vida, descobri em mim uma força que nem sabia que tinha. Uma verdadeira leoa correndo atrás da ordem natural da vida, de um sonho! Ao senti-lo em meus braços, eu e meu marido, que estava atrás de mim, choramos de emoção com a simplicidade do nosso maior amor. O parto normal e humanizado é uma experiência incrível que todas as mulheres deveriam passar. Agradeço muito pelo apoio de todos que estiveram lá. Seria muito difícil sem vocês!”

Ingrid Castilho, para o Blog da Saúde

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página