A exibição do player de áudio desta página depende de javascript. Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Promoção da Saúde
  • não publicado
  • Publicado: Sexta, 24 de Janeiro de 2014, 19h03
  • Última atualização: 24/01/14 19h26

HPV: o vírus do câncer de colo do útero

Pela primeira vez, o Ministério da Saúde disponibilizará gratuitamente a vacina contra o HPV para garotas de 11 a 13 anos, ampliando para as de 9 a 11 anos a partir de 2015


“Vou falar com as minhas amigas que têm filhas nessa idade para vaciná-las e se prevenirem. Vou avisar também às minhas sobrinhas”, afirmou Maria do Socorro dos Santos, secretária de 41 anos que acabou de retirar o útero por causa de um câncer no colo do útero causado pelo Papiloma Vírus Humano (HPV). Histórias como a de Maria serão menos comuns no futuro, quando os resultados da campanha de vacinação do Ministério da Saúde começarem a aparecer.

Pela primeira vez, o Ministério da Saúde disponibilizará gratuitamente a vacina contra o HPV para garotas de 11 a 13 anos, ampliando para as de 9 a 11 anos a partir de 2015. Principal causa do câncer de colo do útero, que é o terceiro tipo de câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, o HPV é transmitido pelo contato direto com a pele ou mucosas infectadas por meio da relação sexual. Também pode ser transmitido de mãe para filho no parto.

O Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) estima que em 2014 surjam 15 mil novos casos e 4,8 mil mortes devido ao câncer de colo do útero. Maria do Socorro faz o preventivo todos os anos e, por isso, descobriu o câncer cedo, o que aumenta a chance de cura. “Faço o preventivo sempre e nunca dava nada. Ano passado descobri que estava com o vírus”, comenta.

A psicóloga Geisa Freire Cavalcanti, de 37 anos, soube pela pediatra da filha de 12 anos que haveria a campanha de vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS) contra o HPV. “Vai facilitar muito porque o preço da vacina privada é muito caro. Assim que tiver a vacina vou levá-la com certeza. Porque nem todo mundo pode pagar né? Imagina, mil reais? Quem pode pagar?”, questiona Geisa sobre o preço da vacina na saúde privada.

No Distrito Federal, a campanha de vacinação contra o HPV começou em 2013. A servidora pública Simone Gueresi, de 44 anos, aproveitou e vacinou sua filha de doze anos. “É uma oportunidade de evitar o vírus, pois a incidência é muito grande. Se eu tivesse tido essa oportunidade, provavelmente não teria tido o câncer”, ressalta Simone. Ela descobriu que tinha HPV ainda nova e, 20 anos depois, acabou desenvolvendo um tumor no útero.

Médico ginecologista do Hospital do Câncer de Barretos, o Dr. Júlio Possati Resende alerta que a vacina não substitui o exame preventivo do Papanicolau nas mulheres de 25 a 64 anos, tão pouco o uso de preservativos nas relações sexuais.

“Não são todas as mulheres que têm a infecção por HPV que irão desenvolver o câncer. A maioria são infecções benignas. Mesmo essa porcentagem sendo pequena, em termos de saúde pública - como o HPV é muito frequente - a quantidade de mulheres que ainda desenvolvem o câncer de colo uterino não é desprezível. Isso, por si só, justifica a iniciativa da vacinação”, explica o médico Júlio Possati.

Tire suas dúvidas sobre a vacinação contra o HPV aqui


Lucas Pordeus Leon / Blog da Saúde

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado

Facebook

Twitter

Instagram

TV Saúde

Web Rádio Saúde

Número de crianças de zero a dois anos que consomem refrigerantes, bolachas e biscoitos ainda é alto no país

Flickr Saúde

Enquete

Escolha o tema que será abordado na próxima semana. Participe!

Central de Arquivos

Agosto 2015
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
27 28 29 30 31 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6
Fim do conteúdo da página