Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
Serviços
  • publicado
  • Publicado: Terça, 09 de Abril de 2019, 16h33
  • Última atualização: 16/05/19 11h04

USF que funcionam após as 18h registram aumento no atendimento

 Gestores contam que os atendimentos cresceram após a flexibilização dos horários

atendimentosaudeAs Unidades de Saúde da Família (USF) são a principal porta de entrada para a população receber atendimento no Sistema Único de Saúde. Nelas, as pessoas podem fazer consultas médicas, receber curativos, tomar vacinas, realizar coleta de exames laboratoriais, testes de rastreamento para infecções sexualmente transmissíveis, além de outros serviços básicos. Apesar de todo benefício, muitos não conseguem aproveitar esses serviços por causa do horário de funcionamento das UBS. Mas isso pode mudar!

O Ministério da Saúde lançou uma ação propondo que gestores ampliem o horário de atendimento das UBS e em contrapartida receberão o dobro de recursos federais. A ideia é que elas funcionem na hora do almoço, a noite e até nos finais. A mudança permitirá que os serviços já oferecidos se tornem mais acessíveis além de ampliar o número de atendimentos.

Algumas unidades do país já funcionam desta forma. Como em Maringá, no Paraná, onde duas Unidades de Saúde da Família em Maringá localizadas nas áreas sul e norte da cidade flexibilizaram os horários por causa da necessidade apontada pela população. “A necessidade veio da população e da percepção dos profissionais da área de saúde. As unidades abrem às sete e fecham às 21 horas. É nesse horário que o trabalhador pode ser atendido, não só por uma questão de assiduidade do trabalho, mas também por conta de questões burocráticas quando se entrega atestado”, destaca Clície Arrias, gerente de Assistência à Saúde da Secretaria de Saúde de Maringá.

O funcionamento em horário diferenciado já promove resultados visíveis, principalmente na saúde preventiva. “Nós percebemos que o número de cidadãos aumentou, não só para tratamentos de saúde crônicos, mas para a prevenção de doenças como câncer e prevenção da saúde do homem. Isso só aconteceu quando a gente colocou um profissional depois das 18 horas para atender essa população que tem dificuldade de procurar as unidades de saúde no horário comercial”, ressalta a gerente.

Esse modelo de gestão, também foi aplicado em João Pessoa, na Paraíba. “Nós funcionamos das 16h até as 20h para que essas pessoas que trabalham ou estudam no horário comercial não fiquem sem o atendimento da equipe do Saúde da Família”, contou Fabíola Moreira, Diretora Geral da Unidade de Saúde Distrito Sanitário V de João Pessoa, a unidade que tem a maior cobertura do Saúde da Família no município.

O impacto dessa gestão de ampliação de horário é refletido na melhoria da qualidade de vida dos pacientes. Por isso, os gestores locais de saúde terão autonomia para indicar quais serão as unidades que terão o horário de atendimento ampliado, dentro de critérios estabelecidos e de acordo com a demanda e realidade local.

Atenção Básica 

A ampliação dos horários das Unidades de Saúde da Família (USF) é um esforço do Governo Federal para melhorar o atendimento para a população e a qualidade dos serviços oferecidos pelos profissionais de saúde. A nova estratégia mantém a composição mínima das equipes de Saúde da Família - com médico, enfermeiro e auxiliar de enfermagem - mas permite que os gestores tenham mais equipes de saúde atuando nas unidades. Atualmente, a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), orienta aos gestores alocarem quatro equipes em cada unidade. Quem optar pelo horário estendido, pode chegar a até seis.

A Atenção Básica é a principal porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS), capaz de solucionar cerca de 80% dos problemas de saúde da população. A resolutividade neste campo de atenção permite, por exemplo, desafogar os atendimentos em Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h) e emergências hospitalares, onde muitos pacientes vão em busca de atendimentos de baixa complexidade, como curativos e pequenas cirurgias.

Luíza Tiné, para Blog da Saúde 

 

Adicionar Comentário

Comentários

  • Nenhum comentário encontrado
Fim do conteúdo da página