Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Geral

Geral
  • publicado
  • Publicado: Quinta, 29 de Janeiro de 2015, 11h19
  • Última atualização 29/01/15
  • 11h19

5 de agosto: Dia Nacional da Vigilância Sanitária

A Vigilância Sanitária ganhou um dia especial de comemorações: 5 de agosto. A data está definida pela Lei 13.098, de 27 de janeiro de 2015, publicada nesta quarta-feira (28) no Diário Oficial da União.
A norma prevê que o dia seja marcado por atividades que promovam a conscientização da população, proporcionando esclarecimentos sobre temas relacionados à vigilância sanitária para estudantes, profissionais de saúde e demais cidadãos. Segundo a Lei, essas ações devem envolver o Sistema Único de Saúde (SUS), o Sistema de Vigilância Sanitária, em todas as esferas de governo, além de estabelecimentos de ensino.

Sanitarista - O Dia Nacional da Vigilância Sanitária coincide com a data do nascimento de Oswaldo Cruz, maior nome da história da vigilância sanitária no Brasil.

Comentário (0) Hits: 5776
Registrado em:
Geral
  • publicado
  • Publicado: Quinta, 29 de Janeiro de 2015, 11h12
  • Última atualização 29/01/15
  • 11h12

Trabalho, Educação e Saúde: primeira edição de 2015

O primeiro fascículo de 2015 da revista científica Trabalho, Educação e Saúde, editada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), busca contribuir com o debate sobre a internacionalização da produção científica brasileira, acenada pelo CNPq e Scielo. No editorial, a revista pondera sobre os desdobramentos que a estratégia poderia ter, sobretudo quanto a investigações que dão ênfase a questões locais, como formação de trabalhadores do SUS.

Uma das preocupações que o editorial traz sobre o formato de internacionalização proposto remete a uma questão crucial. “Não estaríamos reincidindo em um processo de subordinação, de benefícios incertos, que nos desviaria da construção de autonomia e do aprofundamento do sentido social da nossa produção científica. No caso da Trabalho, Educação e Saúde, essa intenção poderia trazer desdobramentos bastante preocupantes, como, por exemplo, não priorizar os manuscritos cuja investigação contribuísse para a compreensão de problemas locais, dentre eles o trabalho no SUS, a formação de trabalhadores de nível médio ou mesmo a implementação de políticas específicas da saúde pública ou da educação. Essa reflexão nos faz indagar o quanto um deslocamento dessa ordem, em uma escala ampliada, poderia desestimular grupos e pesquisas que se dedicam a esses temas”, destacam os editores da revista.

O texto reconhece a importância de se projetar internacionalmente a produção científica brasileira. Mas faz um alerta: “Certamente a projeção internacional não é um propósito a ser desconsiderado, mas seus meios e efeitos precisam ser problematizados, sobretudo num contexto em que visibilidade e número de citações vêm sendo igualados à qualidade de pesquisa, e ainda, do qual não se excluem os interesses mercadológicos dos publishers internacionais. Assim, consideramos fundamental pautar uma discussão sobre as políticas na direção de uma real internacionalização do conhecimento de uma forma não subordinada à lógica mercadológica mencionada”. E conclui: “Este passo – inicial – pressupõe, por sua vez, em nossa perspectiva, um duplo movimento: por um lado, aprofundar o sentido nacional e coletivo das pesquisas científicas, na relação com as singularidades das áreas de conhecimento e necessidades locais; e, por outro lado, promover estudos críticos, inclusive em colaboração com pesquisadores de distintos países, sobre o papel da ciência nas novas determinações da sociabilidade mundializada capitalista, com vistas à transformação desta realidade, à criação de parcerias internacionais e à conformação de uma ciência efetivamente global, emancipatória.”

Comentário (0) Hits: 5655
Registrado em:
Geral
  • publicado
  • Publicado: Quinta, 29 de Janeiro de 2015, 11h04
  • Última atualização 29/01/15
  • 11h04

Campanha de prevenção neste carnaval incentiva uso de camisinha, testagem e tratamento

avatar facebookInformação falando sobre a importância da camisinha, do teste rápido e do tratamento é o foco da campanha de prevenção às DSTs, doenças sexualmente transmissíveis e à aids para o Carnaval 2015, lançada nesta quarta-feira pelo Ministério da Saúde. Isso porque, apesar de 94% dos brasileiros saberem que a camisinha é a melhor forma de prevenção dessas doenças, 45% da população sexualmente ativa do Brasil não usou preservativo durante as últimas relações sexuais com parceiros casuais.

Esses dados são da Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas na População Brasileira, também apresentada nesta quarta-feira pelo Ministério. O diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, destaca a importância da prevenção combinada no combate a aids: "Nós vamos insistir no uso da camisinha como questão fundamental, mas que é importante as pessoas fazerem a testagem para o HIV, aquelas que testarem positivo iniciar o tratamento imediatamente pra derrubar a carga viral, derrubar o tanto de vírus circulante e diminuir a transmissão. Nós vamos continuar incentivando as estratégias de redução de danos para as pessoas que usam drogas e que podem se contaminar através disso e profilaxia pós exposição que é o uso do medicamento antirretroviral pós a exposição."

O material da campanha de carnaval deste ano inclui cartazes, spot de rádio, folders e vídeo para TV e é voltado para a população jovem, travesti e jovem gay. A mensagem geral informa o jovem para se prevenir contra o vírus da aids, usar camisinha, fazer o teste e, se der positivo, começar logo o tratamento. O gerente de mercado, Gleyson da Silva, depois que contraiu uma DST aprendeu a importância do sexo seguro: "Fiz o teste de HIV, faço nos hospitais sem a mínima vergonha e quero aconselhar os meus colegas e meu amigos gays a sempre estar tratando da sua saúde, buscando melhoria, procurando fazer o teste do HIV, usando sempre a camisinha pra sempre se prevenir melhor de qualquer tipo de doença. Já peguei uma doença chamada cancro mole e não foi fácil curar."

Comentário (0) Hits: 5551
Registrado em:
Geral
  • publicado
  • Publicado: Quinta, 29 de Janeiro de 2015, 09h00
  • Última atualização 28/01/15
  • 14h02

Poliomielite | A importância da continuidade das campanhas de vacinação

No Brasil, o mês de março de 1989 foi marcado pela notificação do último caso de poliomielite no país, doença conhecida como paralisia infantil. Em 1994 o país recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) a certificação de área livre de circulação do poliovirus selvagem do seu território, juntamente com os demais países das Américas. No entanto, a não-ocorrência de poliomielite na Região das Américas não é o suficiente, pois pode ser reintroduzida na região através do fluxo de viajantes oriundos de países nos quais ainda há circulação do poliovírus selvagem.

Desta forma, a continuidade das campanhas de vacinação é fundamental para evitar a reintrodução do vírus no país. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) demonstram que entre os anos de 2013 e 2014, 10 países registraram casos da doença e, na sua maioria, decorrentes de importações do poliovírus selvagem de países endêmicos, como Afeganistão, Nigéria e Paquistão, ou de países não endêmicos, como Somália, Guiné Equatorial, Iraque, Camarões, Siria, Etiopia, Kenia.

A poliomielite é uma doença infectocontagiosa grave e a única forma de prevenção é por meio da vacinação. Na maioria dos casos, a criança não vai a óbito quando infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia permanente ou transitória, principalmente nos membros inferiores. A deficiência motora instala-se subitamente e a evolução desta manifestação, frequentemente, não ultrapassa três dias.

Comentário (11) Hits: 26075
Registrado em:
Geral
  • publicado
  • Publicado: Quarta, 28 de Janeiro de 2015, 18h09
  • Última atualização 28/01/15
  • 18h09

Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DST e aids para carnaval 2015

A maioria dos brasileiros (94%) sabe que a camisinha é melhor forma de prevenção às DST e aids. Mesmo assim, 45% da população sexualmente ativa do país não usou preservativo nas relações sexuais casuais nos últimos 12 meses. Os dados, inéditos, são da Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas na População Brasileira (PCAP), apresentados nesta quarta-feira (28), em Brasília, durante o lançamento da campanha de prevenção às DST e Aids para o Carnaval 2015. Realizada em 2013, a pesquisa entrevistou 12 mil pessoas na faixa etária de 15 a 64 anos, por amostra representativa da população brasileira.

Confira no Blog da Saúde: Carnaval, diversão e #PartiuTeste

Apresentação

Os dados comparativos com pesquisas anteriores mostram que o uso do preservativo na última relação sexual, ocorrida nos últimos 12 meses, se manteve praticamente estável: 52% em 2004, 47% em 2008 e 55% em 2013, apesar das constantes campanhas de estímulo ao uso do preservativo durante todos esses anos. Além disso, houve um crescimento significativo de pessoas que relataram ter tido mais de 10 parceiros sexuais na vida. Esse percentual subiu de 19%, em 2004, para 26% em 2008, chegando a 44% no ano de 2013.

“A pesquisa demonstra que o nível de conhecimento da importância do uso do preservativo na população continua alto e que uso de camisinhas no sexo casual também vem se mantendo estável entre 2004 e 2013. No entanto, o que tem mudado muito é o comportamento das relações, com aumento do número de parceiros. Isso exige, particularmente dos jovens, muita responsabilidade e preocupação com preservação de sua saúde e de seus parceiros, utilizando regularmente a camisinha, fazendo o teste para o HIV e, quando positivo, fazer o tratamento gratuito oferecido pelo Sistema Único de Saúde”, orienta o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

Comentário (0) Hits: 38952
Registrado em:
Geral
  • publicado
  • Publicado: Quarta, 28 de Janeiro de 2015, 16h01
  • Última atualização 28/01/15
  • 16h07

Carnaval, diversão e #PartiuTeste

O Carnaval é comemorado em diversas partes do mundo e, no Brasil, pessoas de todas as idades e até mesmo de outros países se reúnem em festas características de cada região. O feriado possibilita encontros em cidades como Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Minas Gerais ou até mesmo o Distrito Federal com seus tradicionais bloquinhos de rua. O clima é de diversão e, por isso, é importante estar sempre prevenido e atento às DSTs e aids. Este ano, o Ministério da Saúde lança a campanha de prevenção combinada, que reforça a importância dos jovens se prevenirem contra o vírus da aids não só usando camisinha, mas realizando o teste e, se der positivo, começar logo o tratamento, reforçando o conceito “camisinha + teste + medicamento”.

A turismóloga Mariana Sarciotto, de 31 anos, acredita que é importante se divertir, mas sem se esquecer da prevenção durante a folia. “O carnaval é momento de festa para todos, inclusive os soropositivos, e todos devem ter consciência de seus atos. Acho que o teste é uma boa forma de conscientização e já conversei muitas vezes com meus amigos sobre o fato de que a doença é transmitida mais facilmente do que se imagina. O teste deixa a pessoa com medo de ter um resultado positivo, o que a torna mais prudente no seu dia a dia”, defende. Dados do último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde apontam que das 734 mil pessoas que vivem com HIV e aids no Brasil atualmente 80% já receberam o diagnóstico.

Comentário (21) Hits: 34740
Registrado em:
Geral
  • publicado
  • Publicado: Quarta, 28 de Janeiro de 2015, 15h43
  • Última atualização 28/01/15
  • 15h43

Prazo para inscrição de médicos brasileiros termina nesta quinta-feira

Os médicos interessados em participar do Programa Mais Médicos têm até esta quinta-feira (29/1) para se inscreverem na iniciativa. No momento da adesão, os candidatos deverão escolher entre pontuação adicional de 10% nas provas de residência, atuando na unidade básica por 12 meses, ou permanecer no município por três anos e obter benefícios como auxílios moradia e alimentação, além de ajuda de custo para instalação. Nesta primeira fase, apenas médicos formados no Brasil ou com diploma revalidado podem aderir à iniciativa. As inscrições podem ser realizadas no site.

Nos dias 4 e 5 de fevereiro, os profissionais deverão indicar até quatro cidades de diferentes perfis onde desejam atuar e conforme a sua prioridade. Os candidatos concorrerão somente com aqueles que optarem pelos mesmos municípios e, quem não conseguir alocação, terá acesso às vagas remanescentes em outras duas oportunidades (em fevereiro e em março).

A data e horário da inscrição do médico não são mais considerados critérios de seleção. Para a classificação na concorrência das vagas foram estabelecidas as seguintes regras: ter título de Especialista em Medicina de Família e Comunidade; experiência comprovada na Estratégia Saúde da Família; ter participado do Programa de Educação pelo Trabalho – PET (Vigilância, Saúde, Saúde da Família e Saúde Indígena); do VER-SUS; do ProUni ou do FIES. Como critérios de desempate serão considerados a maior proximidade entre o município desejado e o de nascimento e ter maior idade.

Comentário (0) Hits: 3261
Registrado em:
Geral
  • publicado
  • Publicado: Quarta, 28 de Janeiro de 2015, 14h11
  • Última atualização 28/01/15
  • 14h11

Especialistas dão dicas para evitar afogamentos de crianças no verão

Fonte: Pavel L Photo and VideoA morte de três crianças entre 4 e 11 anos em uma piscina na cidade de Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, acendeu o alerta para casos de afogamentos, principalmente, no verão.Segundo dados do Ministério da Saúde, essa é a primeira causa de morte de pequenos entre 1 a 4 anos e a segunda entre 5 e 9 anos, atrás apenas de acidentes de trânsito. Com campanhas no ar, organizações alertam para os cuidados que pais e responsáveis devem ter em casa, nas piscinas, em rios e no mar.

Um dos maiores especialistas em afogamentos, o médico David Szpilman, da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático e do Hospital Municipal Miguel Couto, chama atenção para as piscinas. A principal recomendação é para que os pais se mantenham a, no máximo, um braço de distância dos filhos pequenos. “A supervisão tem que ser 100% do tempo”, frisou. aQuem tem piscina em casa deve instalar uma grade em volta, dois ralos para evitar sucção, além de ter um telefone bem próximo, para que seja possível pedir ajuda em emergências.

Com o aumento do número de guarda-vidas e de placas com orientações sobre as condições do mar, Szpilman avalia que o número de casos de afogamento nas praias caiu muito nos últimos anos. Hoje, segundo ele, o maior número de vítimas está entre aquelas que pensam que sabem nadar.

Comentário (0) Hits: 5599
Registrado em:

Saúde abre processo seletivo para Residência Médica em Medicina da Família

A Secretaria de Saúde de Blumenau está com inscrições abertas aos profissionais interessados em participar do processo seletivo de Residência Médica em Medicina da Família e...

  • publicado
  • 28/01/15
  • 13h49
Comentário (0) Hits: 2980

Carreta da Saúde promove ação contra a hanseníase no DF

A Carreta da Saúde deu início hoje (26) a uma ação de prevenção e controle da hanseníase no Distrito Federal. O caminhão tem consultórios e laboratório para diagnóstico da...

  • publicado
  • 28/01/15
  • 13h44
Comentário (0) Hits: 5015

Anvisa terá palestrantes em curso internacional sobre Farmacovigilância

Um curso sobre noções básicas de Farmacovigilancia e Desafios, organizado pela Sociedade Internacional de Farmacovigilância (Internacional Society of Pharmacovigilance - ISoP), será...

  • publicado
  • 28/01/15
  • 13h39
Comentário (0) Hits: 3062

Facebook

Twitter

Fim do conteúdo da página