Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Promoção da Saúde > Incontinência Urinária atinge 40% das mulheres acima de 50 anos
Início do conteúdo da página
Promoção da Saúde
  • publicado
  • Publicado: Terça, 15 de Março de 2016, 10h38
  • Última atualização: 30/03/16 11h24

Incontinência Urinária atinge 40% das mulheres acima de 50 anos

shutterstock 266672837Ir ao banheiro a cada meia hora, dormir mal, usar fraldas, evitar relações sexuais, roupas claras e esportes de alto impacto são algumas das inconveniências para a mulher que tem incontinência urinária. Exclusão, redução das atividades e da autoestima também são consequências. Essa incontinência tem evolução traiçoeira. Sorrateiramente, modifica a rotina de 40% das mulheres de 50 a 89 anos. E este número deve dobrar em 30 anos. Portanto, é um sério problema de saúde pública. Dia 14 de março é o dia de conscientização e informação sobre a incontinência urinária.

Na Maternidade Escola Assis Chateubriand da Universidade Federal do Ceará (Meac-UFC), o Serviço de Uroginecologia dá assistência, realiza pesquisas e promove o ensino nessa área. Referência pelo SUS, a atenção multidisciplinar é prestada por médicos, enfermeiros e fisioterapeutas que realizam 45 consultas semanais e até 30 cirurgias por mês.

Segundo o uroginecologista Leonardo Bezerra, professor adjunto da Faculdade de Medicina da UFC, a incontinência urinária pode ser classificada em dois tipos: de esforço ou de urgência. Se a perda de urina ocorre ao tossir, espirrar ou correr, por exemplo, é chamada de incontinência urinária de esforço. Tem-se alteração na musculatura do assoalho pélvico, que suporta bexiga, útero e reto. Pode decorrer de traumatismos e lesões de partos normais complicados. Mas a gravidez por si só, mesmo com cesárea, pode gerar mudanças permanentes nessa estrutura. O envelhecimento e a atrofia muscular também afetam a continência, então, mesmo quem nunca engravidou pode desenvolvê-la.

A incontinência de urgência, por sua vez, é o desejo incontrolável de ir ao banheiro. A bexiga não relaxa. Contrações involuntárias causam perda de urina. Há medicamentos orais indicados, mas com efeitos colaterais, custos altos e potenciais complicações. A fisioterapia do assoalho pélvico é mais efetiva, sem contraindicações. Pode ainda involuir este processo, sendo a primeira escolha nos casos mais leves.

O médico uroginecologista diagnostica a incontinência após consulta e exame físico genital. O estudo urodinâmico simula os sintomas e detecta as contrações não inibidas. Se há perda por esforço, a cirurgia de Sling pode ser necessária. É minimamente invasiva, com pequenas incisões e melhores resultados. Insere-se uma prótese abaixo da bexiga para restabelecer o suporte vesical, impedindo a “queda da bexiga”. Muitas vezes com anestesia local, alta hospitalar precoce e resultados imediatos. Essa cirurgia, bem como o tratamento medicamentoso e a fisioterapia são realizados na Meac totalmente financiados pelos SUS.

Fonte: ebserh.gov.br com informações da Meac

Adicionar Comentário
Fim do conteúdo da página